Adeus, startup. Olá, corporação.

Eu sei, você precisa encontrar um modelo de negócio escalável. E rápido.

Mas isso é o que todas as startups já sabem.

O que elas não sabem, ou sabem mas não prestam atenção, é que a forma que nos organizamos influencia fortemente os resultados que obtemos. E o que seremos no futuro.

Considere por um momento a sua estrutura organizacional. Ela é assim?

PyrOrgChartEmpty-500x263

Por quê?

Você pode não saber responder. Mas eu afirmaria que a sua estrutura é assim porque essa é a forma com que nos organizamos desde sempre. E poucos refletem sobre isso.

A hierarquia, a cadeia de comando e aprovação. Tudo precisa ser autorizado.

Ela destrói a inovação, a motivação, a colaboração, o pensamento fora da caixa. Ela é estática e não gosta de mudanças.

Abraçar mudanças deveria ser o cerne da sua startup. Afinal o mercado muda. Os concorrentes mudam. Você pivota. Vem a crise. A sua organização precisa mudar.

Mas a pirâmide é lenta e dominadora. Os egos entram em jogo e podam as iniciativas. Como o seu Head of Design vai entender que agora é necessária uma reestruturação e que os designers que antes estavam debaixo dele precisam ir para o time de produto? Não vai ser fácil.

Ok, mas qual é a alternativa?

Existe outra coisa também. Chama-se auto-organização:

MINOLTA DIGITAL CAMERA

MINOLTA DIGITAL CAMERA

Você já deve ter visto isso por aí.

Está presente na natureza. O corpo humano funciona assim. Os times ágeis de desenvolvimento de software estão acostumados a trabalhar dessa forma.

Colaboração, descentralização, liderança servidora e facilitadora. O sistema garante a organização, sem a necessidade de um poder aprovador .

Mas conforme a sua empresa cresce, uma quantidade maior de estrutura e processos é necessária para manter o alinhamento. A hierarquia toma conta e a colaboração dá lugar ao comando e controle.

Adeus times ágeis. Adeus inovação.

Adeus startup. Olá, corporação.

A forma com que você se organiza diz muito sobre você

A sua startup cresce, você contrata um COO, um CTO, um CIO, um CPO, um CMO, um CFO, um CXYZ. E Heads. E vários Heads de área. Pessoas que você confia e manterão as coisas “nos trilhos”.

Será?

A pirâmide hierárquica é excelente em controlar pessoas e manter as coisas “estáticas”. Mas nos tempos de hoje, você quer que todos colaborem e usem suas mentes brilhantes para inovar e gerar valor. Você quer adaptabilidade.

O problema é que fica difícil inovar com um chefe controlando a sua vida e aprovando tudo que você faz. Bloqueando a comunicação e “defendendo” a sua área do resto da organização. Vira uma guerra de poder, cada um defendendo o seu lado. Sem perceber que todos deveriam estar trabalhando para o mesmo objetivo.

Quer se tornar uma grande corporação? Continue assim.

Quer manter o clima jovem, inovador e disruptivo de uma startup? Abrace novos modelos de gestão e organização.

As Organizações Responsivas chegaram

Existe um novo movimento chegando. Chama-se “Organizações Responsivas”. E elas vieram para transformar o mundo do trabalho. Elas estão caminhando mais para a direita:

Lucro => Propósito
Controle => Poder distribuído
Planejamento => Experimentação
Hierarquias => Redes
Privacidade => Transparência

Aqui tem o Manifesto com mais detalhes.

Entendi. Mas como eu começo?

1) Pare de trabalhar com quem só quer dinheiro e comece a trabalhar com quem acredita no seu produto (e propósito)

Pessoas orientadas a dinheiro buscam caminhos mais curtos para satisfazer as suas necessidades individuais, sacrificando o longo prazo (e a organização). Essas realmente precisam ser supervisionadas. Se afaste delas.

Procure aquelas que se conectam com a sua ideia e que gostam do que fazem. Chama-se “motivação intrínseca”. A geração Y se encaixa bem nesse perfil.

Obs: só porque elas não estão ali pelo dinheiro não significa que você não deve pagá-las apropriadamente.

2) Crie uma estrutura organizacional adaptativa e auto-organizada

Pessoas brilhantes não gostam de ser controladas. Para mantê-las, você deve investir em estruturas adaptativas e que fomentem a inovação. Existem várias formas de fazer isso. Desde o modelo da Spotify até a Holacracia. Busque entender o que faz mais sentido para o seu contexto e experimente.

Quer aprender mais sobre Organizações Responsivas e a gestão do futuro? Siga a Target Teal nos canais abaixo:

https://medium.com/target-teal/

https://facebook.com/targetteal/

https://www.linkedin.com/company/target-teal

Gostou? Compartilhe com os seus amigos e colegas 😉

Por | 2017-01-20T12:29:33+00:00 julho 5, 2016|Autogestão, Organizações Responsivas|2 Comentários

Sobre o Autor:

2 Comentários

  1. […] No ato de criar uma empresa ou organização, a maioria das pessoas utiliza alguns elementos e padrões básicos e conhecidos que definem a estrutura organizacional. Elementos como a cadeia de comando e uma estrutura de cargos e áreas com diretorias e gerências vem logo a mente. Com esses elementos tradicionais, alguns fenômenos comuns acontecem na medida que a organização cresce. […]

  2. […] falamos no post “Adeus, startup, Olá corporação”, é muito provável que a sua empresa ainda esteja presa na mesma estrutura organizacional da […]

Deixe um comentário