A história de “um bom profissional”

Acorda cedo. Terno e a gravata. Chega no trabalho às 8:00.

Bate o ponto. Crachá no peito. Cumprimenta os colegas com um sorriso. Um sorriso frio e falso que esconde preocupações. E daí? Todos são assim. O mesmo sorriso formal.

Os problemas pessoais? Todos deixados na porta da empresa. Afinal, “um bom profissional” sabe separar as coisas.

Vai até o cubículo e senta na cadeira. Produz por algumas horas. Na realidade, mantém-se ocupado e acha o que fazer. O chefe está por perto. É importante manter uma boa imagem.

Opções políticas e religião? Melhor nem comentar. Emoções e sentimentos? Jamais. Afinal, “um bom profissional” sabe separar as coisas.

Tratamentos, terapias, antidepressivos. Sempre esperando pela próxima avaliação de performance. Talvez seja a vez de subir na escada da hierarquia. Embora a última promoção não tenha durado duas semanas de euforia…

Uma vida assim não faz sentido. Todos sabem. Mas ninguém fala nisso. Afinal, “um bom profissional” sabe separar as coisas. E sentimentos não são bem-vindos no ambiente de trabalho.

Final do expediente. Dezoito horas. Que alívio! Ponto eletrônico. Casa.

(Repetir até a aposentadoria)

Encontre os erros nessa história e comente abaixo.

Gostou? Dê um “like” e compartilhe 😉

Saiba mais sobre “Organizações Responsivas” e o “Futuro do Trabalho” acessando a Target Teal nos canais abaixo:

https://targetteal.com/

https://medium.com/target-teal/

https://facebook.com/targetteal/

https://linkedin.com/company/target-teal/

Por |2018-01-15T06:56:28+00:00julho 11, 2016|Integralidade|1 Comentário

Sobre o Autor:

Davi é um transformador de organizações e desenvolvedor de software social. Não satisfeito com as mudanças realizadas em times de desenvolvimento de software como Agile Coach, resolveu abordar um problema organizacional mais profundo: a forma como lidamos com autoridade dentro de empresas. É amante dos temas desenvolvimento organizacional, produtividade, futuro do trabalho e organizações evolutivas. Davi também é pioneiro na prática de Holacracia no Brasil.

Um Comentário

  1. […] A ruptura entre o trabalho e a vida pessoal começou nas organizações conformistas (leia aqui para entender melhor). O ambiente corporativo tradicional não acolhe as pessoas inteiramente. As emoções, as incertezas e os medos você deixa em casa. No trabalho você precisa ser um “bom profissional“. […]

Deixe um comentário