Modelo Spotify Squads: O que é e como funciona

Henrik Kniberg publicou um vídeo em 2014 que popularizou o que muitos hoje conhecem como “modelo Spotify Squads”. Neste artigo, veremos os principais elementos da estrutura organizacional descrita por ele, como Squads, Chapters, Guilds e Tribes.

Vou me manter fiel à descrição da cultura de engenharia de software feita por Henrik no vídeo. No final do texto falaremos sobre porque copiá-lo pode não ser uma boa ideia para a sua organização.

O que é afinal o “modelo Spotify Squads”?

No início, o Spotify era uma empresa pequena, que basicamente utilizava o framework Scrum, com seus times pequenos e multidisciplinares. Conforme o número de equipes foi aumentando, eles perceberam que algumas práticas do Scrum não faziam mais tanto sentido para eles. A conclusão foi: os princípios do Ágil são mais importantes do que um método específico.

Como resultado, o Spotify renomeou o antigo papel de “Scrum Master” para “Agile Coach”. A intenção era que o Agile Coach fosse menos um especialista em Scrum, e mais um líder-servidor capaz de estimular e suportar a melhoria contínua. A segunda medida foi passar a chamar as equipes multidisciplinares de “Squads“, ao invés de “Times Scrum”.

As Squads, além de contarem com especialistas de diferentes funções, são auto-organizados e pequenos (8 ou menos integrantes). Eles possuem responsabilidade ponta a ponta, ou seja, projetam, desenham, desenvolvem e dão manutenção aos produtos Spotify. As Squads também têm um nível elevado de autonomia: eles decidem o que construir, como construir e como trabalhar juntos para construir. Coisa que muitas organizações nem sequer experimentam.

Obviamente, a autonomia das Squads não é infinita. Algumas restrições afetam esse nível de liberdade: geralmente a missão da própria Squad (toda Squad tem uma), a estratégia geral de produto e objetivos de curto-prazo negociados a cada trimestre.

Essa estrutura potencializa a autonomia, que por ser um motivador intrínseco forte, torna as pessoas mais felizes. Além, a estrutura em Squads dá muita velocidade, pois evita esquemas de aprovação, afunilamento de decisões no topo e dependência de outras equipes.

Mas segundo o Kniberg, autonomia não é o suficiente para construir produtos incríveis. Ele afirma no vídeo que alinhamento (em inglês, alignment) também é vital para o modelo Spotify. Em linhas gerais, todas as Squads precisam estar “alinhados” com a estratégia da empresa, objetivos trimestrais e outras Squads. A missão do Spotify como organização é mais importante do que a missão individual de qualquer Squad.

Para possibilitar o alinhamento sem sacrificar a autonomia, o papel da liderança no Spotify torna-se muito mais comunicar qual problema deve ser resolvido e porquê. O como o problema será resolvido é tarefa das Squads.

Outros elementos: Chapters, Guilds e Tribes

Na data do vídeo (2014), Henrik disse que o Spotify tinha mais de 50 Squads, distribuídos em 4 países. Algum tipo de estrutura além do time multidisciplinar, pequeno e auto-organizado é necessária para coordenar os esforços de tanta gente. É aí que entram as Tribes.

Uma Tribe é uma estrutura matricial leve, composta por um conjunto de Squads e Chapters. Como vimos, cada Squad é geralmente focada em um segmento do produto. Já os Chapters são áreas de competência, como desenvolvimento, qualidade de software ou Agile coaching. Cada Chapter possui um Chapter Lead, que é um gerente de linha, ou líder-servidor que atua no apoio ao desenvolvimento de uma determinada competência. Como membro desta estrutura, você sempre faz parte de um Chapter e uma Squad pelo menos.

As Squads possuem um Product Owner, que atua de forma semelhante ao que prega o Scrum, refinando o Backlog e definindo as prioridades daquela Squad. As Tribes possuem um Tribe Lead, que dá orientações gerais de prioridade e objetivos de negócio para toda a Tribe.

O último elemento descrito por Kniberg são as Guilds, que são comunidades de prática focadas em um determinado tema (como testes unitários), que podem atravessar diferentes Tribes, Squads e Chapters. As Guilds têm caráter voluntário e são formadas conforme interesse das pessoas nos temas que as originam.

Práticas de engenharia de software

Existem algumas práticas de engenharia de software que são vitais no “modelo Spotify Squads”, mas geralmente ignoradas pelas empresas que se inspiram nele.

Inner Source. As Squads podem criar bibliotecas, componentes ou trechos de código que são utilizadas por outras Squads. Uma vez feito isso, a Squad A, por exemplo, vira a “guardiã” daquela biblioteca. Quando uma a Squad B precisa alterar esse componente, ela têm duas opções. A primeira e mais intuitiva, é pedir que a Squad A implemente a mudança. Mas se isso não for possível (porque a Squad A está focada em outra coisa), a Squad B pode alterar ela mesmo o trecho de código e enviar para revisão da Squad A. Isso impede que um time fique travado esperando alterações do outro. Esta prática é conhecida como Inner Source, ou Open Source Interno.

Release Train e Feature Toggle. Cada aplicação cliente Spotify possui um “Release Train” (trem de lançamento), que roda regularmente, normalmente a cada semana ou quinzena. Este trem carrega todas as funcionalidades implementadas pelas Squads no período anterior e as coloca em produção, mesmo que não estejam prontas. O que acontece é que o outro recurso, chamado de “Feature Toggle”, permite que as Squads desabilitem as funcionalidades que ainda não estão prontas. Esse processo de entrega contínua permite que o Spotify evite os tenebrosos problemas de integração e deploy, tão frequentes no desenvolvimento de software, especialmente em empresas grandes.

O Modelo Spotify Squads não é uma tecnologia social!

Depois de detalhar o que é conhecido e inspirador para muitos, preciso ressaltar esse ponto: o modelo Spotify squads não é uma tecnologia social. Este é um termo que utilizamos frequentemente aqui no blog da Target Teal. Uma tecnologia social é um conjunto de práticas que são desenvolvidas e testadas por especialistas em design organizacional. Ou seja, tecnologias sociais são “modelos” que almejam a disseminação e uso por várias organizações. Exemplos incluem o Scrum, Kanban, ou o método Organização Orgânica.

O que é conhecido hoje como modelo Spotify squads é apenas uma descrição do estado momentâneo das práticas ágeis no dia da gravação do vídeo pelo Henrik. Ele mesmo fala que aquilo chega a ser uma descrição fantasiosa, porque a realidade é muito mais complexa.

Outro problema é que o suposto modeloSpotify squads perde totalmente o sentido se aplicado em outras áreas/organizações que não trabalham com desenvolvimento de software. Por exemplo, um squad é um time multidisciplinar. Ou seja, uma área de RH nunca poderá ser um squad, como vemos por aí. No entanto, talvez você queira trazer os princípios da auto-organização do Scrum para a sua área de RH. Isso é perfeitamente possível com autogestão ou uma tecnologia social criada para este propósito, como o O2.

Por esses motivos acreditamos que o modelo Spotify é uma grande inspiração, mas não passa disso. Existem outras tecnologias sociais muito mais efetivas para criar mais autonomia no trabalho e ainda assim manter um alto nível de alinhamento. Faça o nosso curso online gratuito Fundamentos em Auto-Organização e aprenda mais sobre o assunto.

Fundamentos em Auto-Organização

Por |2018-11-12T18:07:36+00:00novembro 12, 2018|Ágil|0 Comentários

Sobre o Autor:

Davi é um transformador de organizações e desenvolvedor de software social. Não satisfeito com as mudanças realizadas em times de desenvolvimento de software como Agile Coach, resolveu abordar um problema organizacional mais profundo: a forma como lidamos com autoridade dentro de empresas. É amante dos temas desenvolvimento organizacional, produtividade, futuro do trabalho e organizações evolutivas. Davi também é pioneiro na prática de Holacracia no Brasil.

Deixe um comentário