Equipe multidisciplinar: o que é e como montar uma

Uma equipe multidisciplinar é um conjunto de profissionais de diferentes disciplinas que trabalham para um objetivo comum. Em inglês, são conhecidas como cross-functional teams, o que pode ser traduzido tanto para equipe multidisciplinar quanto equipe multifuncional.

O conceito de equipe multidisciplinar também é muito aplicado na área da saúde, onde médicos de diferentes especialidades se reúnem para tratar um paciente. No desenvolvimento de produtos, o Scrum (um framework ágil) recomenda que o time de desenvolvimento seja composto por todas as disciplinas e funções necessárias para construir o produto. Ou seja, é possível concluir que o conceito de equipe multidisciplinar está sendo aplicado em diversas áreas.

O oposto de uma equipe multidisciplinar é uma equipe funcional ou unidisciplinar, que são compostas por pessoas com a mesma especialidade ou área de atuação.

Nos tópicos abaixo falaremos de diversos aspectos da equipe multidisciplinar, incluindo as vantagens, desvantagens e como montar uma. Aproveite! 😉

  1. Vantagens
  2. Desvantagens
  3. Como montar uma equipe multidisciplinar

Vantagens

Equipes multidisciplinares são criadas com o objetivo de melhorar a comunicação e criar um time realmente focado em um projeto ou entrega, ao invés de uma determinada função, como marketing, por exemplo. É comum que organizações que criem uma equipe multidisciplinar também dêem autonomia para que o próprio grupo tome decisões que impactem o seu trabalho, ao invés de passar por aprovações de outras áreas ou posições.

Além de diminuir a distância entre quem decide e quem sofre o impacto, uma equipe multidisciplinar também mantém uma comunicação mais próxima, normalmente se reunindo para trocar informações. Isso também tem como consequência direta uma redução nos handoffs entre as diversas funções.

Por exemplo, imagine um primeiro cenário, em que temos diferentes departamentos para construção de um software. Temos o departamento de requisitos, responsável por descobrir quais são as funcionalidades desejadas pelo cliente. Essas funcionalidades são então detalhadas e enviadas para o departamento de desenvolvimento, responsável por “codificar” o produto. Por fim, o trabalho é enviado para a área de qualidade, que faz testes e verifica se o produto está de acordo com o especificado. Essas diferentes áreas tem seus próprios gestores, que determinam como os processos devem ser seguidos. Cada departamento está focado em desempenhar muito bem a sua função (requisitos, desenvolvimento e testes). Deu sono só de escrever isso…

Agora imagine um outro cenário, em que você tem um grupo pequeno (10 integrantes ou menos), responsável por desenvolver o software que o cliente precisa. Obviamente você terá as mesmas especialidades (requisitos, desenvolvimento e testes), mas dessa vez agrupados em uma equipe multidisciplinar, que se reúne com frequência e toma as próprias decisões de processos. Nesse cenário, existe uma facilidade de comunicação muito maior. Deu problema nos testes? O testador fala com o desenvolvedor, que senta ao lado dele. Os dois trabalham juntos e já produzem um software de qualidade e que atende as especificações. Sem canais de comunicação longos e ineficazes.

Quem já trabalhou em uma equipe multidisciplinar, conhece bem as diferenças entre esse modelo e o trabalho em departamentos funcionais. Melven Conway observou isso bem e criou uma lei que ganhou o seu nome. A Lei de Conway diz:

Qualquer empresa que projeta um sistema (definição mais ampla aqui do que apenas sistemas de informação), inevitavelmente produz um projeto cuja estrutura é uma cópia da estrutura de comunicação da organização.

Ou seja, um produto que é desenvolvido por equipes funcionais terá uma grande desconexão entre as funções envolvidas. No exemplo anterior, o software provavelmente teria muitos bugs, pois os departamentos de desenvolvimento e testes são separados. Isso provavelmente não ocorreria em uma equipe multidisciplinar.

Uma equipe multidisciplinar também tem algumas desvantagens, que veremos na seção a seguir.

Desvantagens

Se a sua estrutura organizacional for composta apenas por equipes multidisciplinares, provavelmente você terá outros problemas. O mais comum é a falta de alinhamento e padronização de práticas e processos entre as diversas equipes, especialmente se existe interdependência entre elas. Em geral, isso é um problema menor do que o que você teria se trabalhasse apenas com equipes funcionais. Ou seja, dos males, o menor. 😉

Empresas como Spotify, que baseiam-se fortemente nos métodos ágeis e no conceito de equipe multidisciplinar, já perceberam isso. No próprio “modelo Spotify“, você encontra uma saída para isso, que é a formação de outra estrutura organizacional funcional, juntamente com a multidisciplinar. Na administração, isso é chamado de estrutura matricial.

Como montar uma equipe multidisciplinar

Agora que você já conhece o que é uma equipe multidisciplinar, vamos te orientar em como montar uma. Os 6 passos abaixo podem ajudar:

  1. Esclareça o seu objetivo.
  2. Identifique as especialidades necessárias.
  3. Selecione as pessoas certas.
  4. Monte um time pequeno.
  5. Defina papéis claros.
  6. Tenha um facilitador.

1 – Esclareça o seu objetivo

Primeiro e mais importante. Por que você quer montar uma equipe multidisciplinar? Qual objetivo que essa equipe busca atingir? É a construção de um produto, ou a conclusão de um projeto? Quais são os critérios de sucesso desse projeto? Quem é o cliente ou usuário desse resultado final que o grupo busca alcançar?

Ao responder essas perguntas, você terá uma noção mais clara do propósito do grupo. Esse é um passo muito importante, que vai facilitar o recrutamento das pessoas e até criar uma motivação forte já no início.

2 – Identifique as especialidades necessárias

Agora que você já sabe para onde ir, você precisa entender que tipo de talentos, habilidades e conhecimentos são necessários para o grupo. Faça uma lista das competências necessárias, tanto técnicas quanto socioemocionais. Por exemplo, ter uma pessoa acolhedora e cuidadosa, por mais que ela não seja aquela que vai “entregar muito”, pode ser chave para o sucesso do grupo no longo prazo. Soft e hard skills são importantes.

3 – Selecione as pessoas certas

Busque pessoas diversas, mas que compartilhem do objetivo e se interessem por ele. Leia esse post da Caelum sobre diversidade em times multidisciplinares, para entender mais a respeito. Trabalhar com um processo de recrutamento voluntário também pode aumentar as suas chances de sucesso. Se essas pessoas que você vai selecionar já fazem parte da organização, tente oferecer opções de escolha para elas, ao invés de simplesmente “designá-las” a sua equipe multidisciplinar.

4 – Monte um time pequeno

Os canais de comunicação aumentam exponencialmente, conforme mais pessoas são adicionadas a um time. Por isso, é importante que você mantenha a sua equipe multidisciplinar pequena, de preferência com menos de 9 integrantes. Precisa de mais pessoas para completar o trabalho? Tente dividir o seu projeto em projetos menores e atribuir a diferentes equipes.

5 – Defina papéis claros

Trabalhar em uma equipe multidisciplinar requer também processos e estrutura. Um ótimo começo é esclarecer quais são os papéis que cada pessoa desempenha. Isso vai ajudar especialmente na hora de tomar decisões importantes. Nem tudo em uma equipe multidisciplinar precisa ser decidido em conjunto ou em consenso. Você também pode optar por um caminho de autogestão, dando autonomia para a sua equipe e não definindo um “líder”.

6 – Tenha um facilitador

Equipe Multidisciplinar da Buurtzorg

É importante que a sua equipe tenha pelo menos algum integrante com habilidades de facilitação. A exceção é se você for contratar ou utilizar um facilitador externo, que não faz parte da equipe. Habilidades de facilitação são vitais para manter a saúde do grupo, tanto nas relações quanto em questões mais pragmáticas, como tomada de decisão.

As equipes da Buurtzorg, uma organização de cuidados domiciliares holandesa, são multidisciplinares e autogeridas. No início da sua trajetória, elas podem contar com a ajuda de um coach regional, que ensina técnicas de facilitação e gestão de conflitos.


Seguindo os passos acima, é provável que você tenha mais chance de sucesso na hora de montar a sua equipe multidisciplinar. Se quiser compartilhar dúvidas e questões que você vivenciar na prática, comente abaixo!

E claro, conte com a ajuda da Target Teal na hora de desenhar a sua estrutura organizacional ou desenvolver equipes multidisciplinares.

Por |2018-02-19T08:09:26+00:00janeiro 30, 2018|Ágil, Autogestão|8 Comentários

Sobre o Autor:

Davi é um transformador de organizações e desenvolvedor de software social. Não satisfeito com as mudanças realizadas em times de desenvolvimento de software como Agile Coach, resolveu abordar um problema organizacional mais profundo: a forma como lidamos com autoridade dentro de empresas. É amante dos temas desenvolvimento organizacional, produtividade, futuro do trabalho e organizações evolutivas. Davi também é pioneiro na prática de Holacracia no Brasil.

8 Comments

  1. Guilherme 14 de fevereiro de 2018 at 22:13 - Reply

    Olá! Estou sorvendo com grande satisfação seu site. Estou montando uma empresa no ramo de terapias complementeres e integrativas, psicologia e psicanálise. Sou autiodidata e escrevi um livro sobre dependencia química e modelo de tratamento alicerçado na teoria integral de Ken Wilber. Estava buscando um site que falasse a minha lingua com relação ao assunto empresa. Tinha em mente a palavra holocracia e comecei a buscar na internet, depois de algum tempo encontrei vcs, bingo! Encontrei justamente o que precisava nos mínimos detalhes. A página sobre os 5 estágios de desenvolvimento integral, remete perfeitamente a teoria integral de Ken Wilber. Aliás vcs devem ter se embasado em muita coisa nela, não? A própria marca Target Teal remete-se ao Estágio de consciência azul esverdeado muito divulgado pela teoria integral, o próximo seria o turquesa. Bom, mas voltando a empresa, e minha ideia sobre ela, fiquei muito feliz e surpreso quando percebi que quase tudo que tinha em mente e já colocado no papel de alguma forma, se encaixava perfeitemente no modelo que vcs desenvolvem… Mas agora estou aprendendo as minúcias, as diretrízes, os termos, os métodos, através do seu site. Muito obrigado, valeu mesmo. Quem sabe mais adiante nos conheceremos melhor. Um abraço e boa sorte pra vcs!!!!

    • Davi Gabriel da Silva 15 de fevereiro de 2018 at 08:06 - Reply

      Oi Guilherme! Que bom que conectou com as coisas que você acredita. Sim, totalmente embasado na teoria integral do Ken Wilber. Na realidade nossa grande inspiração é o livro “Reinventando as organizações”, do Frederic Laloux. Ele basicamente aplicou a teoria integral no ramo das organizações. Vale a pena a leitura. Se quiser aprender um pouco mais sobre o nosso método para colocar isso em prática, dá uma olhada na página do O2. Teremos workshops em todo o Brasil nesse ano: https://targetteal.com/pt/o2/intensivo/. Abração!

  2. Guilherme Nobrega Franco 16 de fevereiro de 2018 at 15:29 - Reply

    Ah, que máximo que se embasam na Teoria Integral de Ken Wilber, se um dia eu precisar de vcs vai cair como uma luva! Sim, quero muito ler esse livro, vou comprá-lo. Vou fazer o curso fundamentos em auto-organização também e depois vou procurar saber mais sobre o workshop. Muito obrigado por tudo. Um grande abraço. Valeu!!

  3. […] que times que precisam entregar valor e resolver problemas precisam de diversidade intra-grupo. Os squads e equipes multidisciplinares estão na moda e não é à toa. Resumindo, diversidade é […]

  4. […] Por exemplo, um dos requisitos do time de desenvolvimento no Scrum é que ele seja pequeno, multidisciplinar e auto-organizado. Dependendo da sua estrutura organizacional, essa mudança pode exigir uma grande […]

  5. Silos Organizacionais - Target Teal 30 de maio de 2018 at 10:14 - Reply

    […] e trabalhar com times multidisciplinares quando possível. Leia aqui um texto sobre […]

  6. O que é Scrum? - Target Teal 12 de julho de 2018 at 15:03 - Reply

    […] todas as competências necessárias para criar e manter o produto sendo trabalhado (leia sobre equipes multidisciplinares). Além disso, o Time de Desenvolvimento é auto-organizado: não existe um chefe responsável por […]

  7. […] estrutura projetizada, o trabalho é organizado em torno de projetos formados por equipes multidisciplinares. Cada unidade é geralmente liderada por um gerente de projetos, com total autoridade sobre o […]

Deixe um comentário