Todos já ouviram a máxima: muitas cabeças pensam melhor que uma. Uma pena que poucos ouviram falar dos fenômenos que promovem decisões em grupo de qualidade duvidosa ou até mesmo desastrosas.

Não vou entrar aqui na argumentação sobre a lentidão das tomadas de decisão por consenso. Se você quiser, aqui tem um texto sobre isso.

Meu ponto é outro. É sobre as armadilhas que o grupo cai quando discute e decide junto.

Sabe aquela: gente, precisamos decidir sobre…

Supostamente, o lado bom deste processo é que todos saem comprometidos ou engajados com a implementação da decisão. Em teoria. Mas antes vamos dissecar esse processo.

Quando estamos debatendo sobre qual decisão tomar como grupo, estamos em um ambiente social carregado.

Em jogo está não apenas qual é o melhor caminho, mas quem está certo e portanto é mais inteligente, a autoimagem e autoestima do grupo, quem tem mais influência no grupo, quem aguenta mais tempo ficar discutindo, se somos unidos como grupo, etc…

Nós somos seres sociais e esse jogo acontece de maneira imperceptível, porém influencia fortemente o processo decisório. Com a bola rolando nesse contexto social, alguns fenômenos acontecem:

  • Surgimento de uma pressão e gosto pela uniformidade. Além de autocensura as vezes aparecem os guardiões do consenso, pessoas que assumem um papel informal de inibirem qualquer membro “desleal”. A voz dissidente é vista como um obstáculo à tão desejada união do grupo.  
  • Uma falta de abertura a novas ideias, sempre ignorando ou racionalizando qualquer questionamento sobre a falsidade dos pressupostos do grupo. Mesmo que alguém consiga expressar sua opinião que difere do consenso, essa voz pode ser ignorada ou racionalizações acabam inibindo a conversa que explora diferentes perspectivas. 
  • Grupos tendem a tomar decisões muito arriscadas ou muito mais conservadoras, se comparado com as decisões individuais das mesmas pessoas envolvidas. Esse pêndulo pode ir para qualquer lado, depende do histórico do grupo, cultura, etc… Ou seja, avaliamos mal o risco quando estamos decidindo em grupo. Veja detalhes aqui.
  • Grupos podem tomar decisões paradoxalmente opostas às intenções de todas as pessoas presentes no processo. Isso tem um nome e chama-se o Paradoxo de Abilene. Incrível.
  • Decisões em grupo podem ser facilmente manipuladas por qualquer um que possui poder e/ou influência sobre algumas pessoas. Isso significa permitir que alguém se esconda atrás de uma decisão de grupo, sem nunca revelar suas intenções.

Esses sintomas podem ser todos agrupados dentro do termo amplo “Pensamento de Grupo”, ou Groupthink.

As principais causas do Pensamento de Grupo são:

  1. Excessiva valorização da união do grupo. A coesão do grupo se tornou mais importante que a expressão individual de opiniões e a qualidade das decisões.
  2. Falhas estruturais, tais como baixa diversidade de participantes, líder muito controlador, falta de regras e práticas que definem o processo decisório e que dê voz a todos.
  3. Ambiente muito estressante, com um histórico de falhas e dificuldade em processos de tomada de decisão e resolução de conflitos.

E o comprometimento?

Se você ainda acha importante tomar decisões em grupo por causa do comprometimento gerado no processo, imagine a seguinte situação: você consente com uma decisão ou proposta apresentada (lembre-se que você estará jogando o jogo acima) e logo depois encontra razões no dia a dia que mostram que a decisão foi errada.

Você encontrou um dilema. Ser consistente com o que foi decidido ou ser racional em face da realidade percebida. Se a decisão for de menor importância e facilmente reversível, você irá pedir uma revisão da decisão, caso contrário você terá que viver com uma decisão que agora parece errada.

Essa convivência com algo que você sabe ser irracional não aumenta seu comprometimento. A única coisa que pode te manter fiel ao que foi decidido é o medo de retaliação do grupo ou de um chefe. Perceba que não foi a decisão que gerou o “comprometimento”, mas o medo…

Uma decisão só gera comprometimento real quando ela se prova ser uma boa decisão, ajudando o grupo a atingir seu propósito. Não precisamos decidir tudo juntos. 😉     


Se você quer entender como aumentar a qualidade e a velocidade das decisões em sua organização ou time, vamos conversar. A Target Teal ajuda organizações a adotarem novas formas de trabalho que maximizam aprendizado, agilidade, engajamento e produtividade.